Páginas

segunda-feira, janeiro 31, 2005

Pai e Filho

2 comentários
Estou aqui no bar a espera de alguém que demora a chegar.1 Toda espera é infinita, mas se anula quando o objeto esperado enfim chega.

Então começo a olhar as pessoas no bar, muito bonito por sinal, e há duas em especial, pai e filho, um garotinho, divertem-se enquanto também esperam seus pedido, talvez um sorvete ou um delicioso crepes. Divertem-se com seu moderno celular que tem câmera fotográfica, ainda não sei se do pai ou do filho. Afinal isso hoje virou brinquedo de luxo. Vejo crianças de 5 anos com celular, é um absurdo.

Mas me rio deles, não como chacota, é de alegria mesmo de ver uma relação bonita assim, pelo menos é o que parece. Eles riem, conversam, brincam. Coisa rara de se ver nesse mundo corrido de hoje, onde os pais só demonstram seu amor através do trabalho, casa, brinquedos. Tudo bem que essa é a forma que julgam correta, mas se esquecem do principal, como aquela propaganda dizia: "Não basta ser pai, tem que participar."2

Gostei de ver esses dois garotos, pois um pai, com seu filho, às vezes se porta como um garotão. Gostei porque lembrei do meu pai, um grande amigo, que sempre foi um Super-Pai-Gelol, não coitado, não é fresco não. Mas sempre participou. Sempre esteve ao meu lado, mesmo que com opiniões diferentes.

Que me desculpem quem não teve essa oportunidade, mas é maravilhoso ter uma relação dessas. Lembro de como brincávamos e do quanto eu já ri, e ainda rio (ô conjugaçãozinha esquisita). Isso é realmente é maravilhoso. É muito bom ver aquele cavalão se debatendo por causa de algumas cócegas, ou rindo da cara minha e de minha irmã quando fazemos nossas palhaçadas.

Esse é meu paizão e aqui fica mais uma homenagem para você... e Manhinha, depois vem uma para você também, relaxa que amo muito vocês dois.

Image hosted by Photobucket.com
Esse aí é ele... um pouco mais sério do que o normal.

Hoje é só isso mesmo, queria falar da singelesa da vida.

É isso aí, a vida é assim, não basta viver, tem que participar.

---
1. Obs: Caso você chegue a ler isso, e você sabe que é com você, não se importe, pois não me importo com isso, foi apenas um fato, e até gerou bons frutos como esse texto. E a espera valeu a pena, como a propaganda da Tim.

2. Comercial da Gelol, que sempre terminava com o slogan: "Não basta ser pai, tem que participar."

domingo, janeiro 30, 2005

Saindo da Caverna

1 comentários
Li que somos Vitoriosos, pelo simples fato de existirmos.1 Você também já deve ter ouvido algo do tipo, uma piadinha como: dentre milhões de espermatozóides, o único que daria origem a você venceu, VOCÊ nasceu. Legal, mas o que quero vai um pouco além disso, um pouco mais longe na história natural. Fazemos parte de uma linhagem longa, tradicional e vencedora. Todos os nossos antecedentes foram vitoriosos e não falharam, nem que seja em um quesito. Gerar descendentes.

Imagine aquela estrutura primordial há alguns bilhões de anos que gerou as primeiras céluas e estas, sucessivamente, evoluíram até virarem esponjas. Fico imaginando meu hipertrisavô esponja trocando DNA com minha hipertrisavó, fogosa que só ela e gerando esponjinhas, algum até deve ter se chamado Bob, Bob Esponja. Assim continuamos até se formarem os primeiros mamíferos, acoados nesse mundo pelos enormes dinossauros. Percebem como sempre ficamos acoados algumas vezes na vida?

O medo faz parte da vida, mas temos que saber administrá-lo, senão bloqueamos nosso processo evolutivo. Imagine aquele mamiferozinho acoado na caverna (só bebendo leite parmalat) para sempre? Se está aqui para imaginar é porque ele não ficou. Ele saiu daquele estado de medo, largou as cavernas e saiu atrás de alguma peludinha com tetas bonitas - muito corajoso, pois na época não existia essa profusão de silicone. Assim aconteceu com todos so nossos ancestrais.

Então você me pergunta: "Aham, e daí?"

E daí nada. Agora pare e pese se temos motivo para nos sentirmos derrotados ou tristes com o que quer que seja. Tá, eu falo isso principalmente para mim, que às vezes me desagrado quando não consigo algumas coisas que gostaria. Deixe estar, eu sou vencedor e não é um percalçozinho qualquer que vai tirar meu título, não mesmo!

Eu sei que ainda terei muitas tristezas, muitas decepções, mas entregar-me está longe dos meus planos, "mas o que é a vida senão um aglomerado de coisas banais do nosso cotidiano, com pequenos - e muito raros - eventos de maior importância."2 Sendo assim não vou ficar escondido nas cavernas. Eu pertenço ao ao mundo, dele sou parte e dele também sou dono. Não agirei como se fosse menos.

Então, meu amigo, dá licença que estou saindo, se quiser que fique aí.

---
1. Jostein Gaarder - Maya

2. Nem tudo é dos outros né! Isso fui eu mesmo em 06/12/1998, enquanto pensava um pouquinho sobre a vida. Talvez até transcreva ele na íntegra depois, pois está razoável.

sexta-feira, janeiro 28, 2005

Raul... esse é o cara

1 comentários
Raul Seixas, foi um sujeito ímpar. Trouxe, com sua música, temas que fazem parte de conhecimentos ocultistas, muito interessantes. Em outras músicas traz mensagens que são difíceis de serem vistas mesmo hoje, quando nem temos mais censuras.

Na verdade, penso que as músicas eram muito mais criativas nos tempos de ditadura, pois forçavam os compositores a burlar o senso comum, principalmente os censuradores. Isso tornava as composições mais ricas. Não quero desmerecer os compositores de hoje, temos ótimos e amo muitos. Entretanto a opressão que sofreram naquela época faziam com que extravasassem isso através de ótimas canções.

Mas é sobre o Rauzito e esses dias tem me tocado a música Nuit 1, que não domino totalmente os conceitos mas acho interessante.

"Eu, eu ando de passo leve pra não acordar o dia
Sou da noite a companheira mais fiel qu'ela queria!
Amo a guerra, adoro o fogo

Elemento natural do jogo, senhores:
Jamais me revelarei." 2


Quem sou eu para me comparar com um deus/deusa, mas às vezes me sinto assim, uma entidade cósmica, fluindo através do espaço-tempo, o que é muito interessante e traz uma série de sentimentos paradoxais.

Insignificância: Somos uma poeira cósmica, ou seja, não somos nada. Tão insignificantes quanto à bactéria que fica na ponta do pelo da pata esquerda traseira da mosca que está no cocô da barata!
Importância: Mesmo assim ainda fazemos parte da grande criação e estamos constantemente criando também, fazemos parte desse grande fluxo energético. Então, se você consegue deixar seu sentimento egóigo individualista um pouco de lado, começa até a se achar importante. Não é legal? Primeiro eu retiro meus sentimentos individualistas e então começo a ficar importante.

Tem outras músicas muito interessantes do Raul, que ainda vou comentar aqui, mas por enquanto é isso.
Nuit
(Raul Seixas)

Eu, eu ando de passo leve pra não acordar o dia
Sou da noite a companheira mais fiel qu'ela queria!
Amo a guerra, adoro o fogo
Elemento natural do jogo, senhores:
Jamais me revelarei
Jamais me revelarei!
E quão longa é a noite
A noite eterna do tempo
Se comparado ao curto sonho da vida
Chega enfeitando de azul
A grande amante dos homens
Guardando do sol, seu beijo em comum
Seja bom ou o que não presta
Acendo as luzes para nossa festa, senhores:
Eu sou o mistério do sol!
Eu sou o mistério do sol!
Mas é com o sol que eu divido toda a minha
energia
Eu sou a noite do tempo
Ele é o dia da vida
Ele é a luz que não morre
Quando chego e anoiteço
O sol dos dois horizontes
A mais perfeita harmonia

___
1. Nuit:
A deusa do céu noturno, estreitamente ligada, na religião egípcia, com Hathor, também conhecida como a Venus Egípcia. Sua mensagem é de liberdade, amor e o místico beijo da união [...] Ela é representada mágicamente como espaço e as estrelas ali contidas. Nuit tem sido interpretada como o continuum espaço-tempo, ou como o infinito potencial contendo todas as coisas reais e irreais. (Retirado de: http://www.astrumargentum.org.br/eucly5.htm)

2. Raul Seixas - Nuit Cifra: http://raul-seixas.letras.terra.com.br/letras/48323/)

quinta-feira, janeiro 27, 2005

Esquinas da Vida

4 comentários
Esquina: substantivo feminino, ângulo formado pelo encontro de duas vias (ruas, avenidas etc.) 1
Vida: o período de um ser vivo compreendido entre o nascimento e a morte; existência1

Isso posto e lembrando do grande poeta Vinícius que dizia:

"A vida é pra valer
E não se engane não, tem uma só
Duas mesmo que é bom
Ninguém vai me dizer que tem
Sem provar muito bem provado
Com certidão passada em cartório do céu
E assinado embaixo: Deus
E com firma reconhecida!" 2
...Sendo assim, Esquinas da Vida, seria o encontro da vida de duas pessoas, no mínimo, porque existem esquinas do mais diversos tipos. Aqui perto de casa mesmo tem o encontro de quatro ruas.

Estou aqui para falar um pouco desses encontros e desencontros da vida, porque ontem e hoje conversei bastante com um amigo de infância, que por tantas vezes, e como tantos outros, procurei descobrir algum contato. Ontem isso aconteceu. E hoje eu estava lá conversando com esse velho amigo e lembrando do quanto nós já brigamos e nos divertimos.

É isso amigos, estou aqui, na verdade, para elogiar a maior criação conjunta das divindades: a Internet (a criação)... Bem as divindades, os dois grandes camaradas universais: Deus e o Diabo (com quaisquer nomes que queiram chamar). Essa ben[mal]dita internet é o que tira meu sono, consome minhas horas e me faz estar aqui escrevendo o que nem sei se alguém lê, quando deveria estar ali estudando para um concurso.

Apesar disso tudo, de toda a minha relação de amor e ódio com computador/internet hoje estou para vangloriar o que me faz amá-la, a infinidade de possibilidades, inclusive encontrar esse velho amigo e, mesmo depois de 14 anos poder conversar descontraidamente. Como se ontem mesmo o tivesse visto.

Agora deixa eu ir lá que tem um outro camarada que insiste em me acompanhar, por mais que eu tente dar umas pancadas e deixá-lo dormindo... meu amigo Superego. 3

___
1. Dicionário Eletrônico Houaiss

2. Vinícius de Moraes - Samba da Benção

3. Segundo o Houaiss (para simplificar) é o que se segue aí:
Superego: substantivo masculino: Rubrica: psicanálise.a.de acordo com a segunda teoria freudiana do aparelho psíquico, conjunto das forças morais inibidoras que se desenvolvem sob a influência da educação durante o processo de socialização; supereu [As três instâncias que compõem o aparelho psíquico são o id, o ego e o superego.

Iniciando... Mais uma vez

2 comentários
Tudo tem seu início, meio e fim. Pelo menos é o que costumam dizer.

Tá tudo errado, pois na igreja me falaram que Deus é eterno, não teve começo nem tem fim... beleza. Contradições. Imagine tudo isso na cabeça de um menino. Lembro exatamente como eu ficava: imaginava um universo bem grande, um universão, que no final das contas era uma grande bola preta dentro da minha cabeça, igual em MIB. Depois pegava Deus e colocava antes e depois disso tudo.

Pronto ali estava o Deus infinito. Era tão simples, nem sei porque isso não funciona mais. A cabeça da gente muda, "o mundo muda, a gente muda, o mundo muda, a gente muda, o mundo muda".1

Voltando então... Esse negócio de começo, meio e fim então é furada. Está tudo numa grande curva de Gauss, como a nossa vida, não dá para saber os limites exatos, pois mesmo os mais sensatos hão de concordar que nossa vida começa em média nove meses antes do que pensamos, mas eu posso ir mais além... alguns milhões de anos!

Mas deixa prá lá. Essa história de começo-meio-e-fim para dizer que aqui estou eu começando esse blog, que não é o primeiro, mas vamos ver se vinga.

Abraços.

___
1. Karnak - O Mundo Muda